In Blog, Gênero

A infância é um período de descobertas, durante a qual o indivíduo ganha conhecimento sobre si mesmo e o mundo ao seu redor. É nessa fase que são criadas as primeiras impressões sobre a realidade, portanto ela é fundamental para o desenvolvimento pessoal. Entretanto, o que tem ocorrido em anos recentes é a aceleração desse processo e, consequentemente, destruição precoce da inocência devido à erotização de crianças, o que é bastante nocivo. As causas para esse fenômeno se encontram na sexualização presente na publicidade infantil e na maneira como, principalmente, jovens meninas são expostas na mídia. Além disso, é possível estabelecer um paralelo com a obsessão da sociedade com os padrões de beleza, que se estende até o universo infantil, o que é exemplificado pela pesquisa conduzida por Sarah Murnen, uma psicóloga social do Kenyon College em Ohio, nos Estados Unidos, que descobriu que 30% das roupas infantis nas principais lojas de departamento americanas tinham características de sexualização.

Além disso, ao incentivar os filhos a se vestirem ou adotarem comportamentos de adultos, ao encorajar a prática do namoro e demonstrações de afeto com estranhos, ao expor a criança precocemente a cenas de sexo e a músicas com conteúdo erótico, ao não monitorar os conteúdos aos quais as crianças têm acesso por meio das redes sociais e tecnologias, é evidente que a maneira como os adultos interagem com as crianças e as ações dos próprios pais também facilitam esse processo danoso.

A gravidade desse problema torna-se explícita ao se analisar casos como o de Valentina, participante do programa MasterChef Júnior em 2015, que, na época com apenas 12 anos de idade, virou alvo de assédio sexual virtual. Os comentários inapropriados sobre a menina geraram indignação nas redes sociais, o que incentivou o coletivo feminista Think Olga a lançar a #MeuPrimeiroAssédio, por meio da qual mulheres passaram a revelar a sua primeira experiência como vítimas de violência sexual. Outro escândalo mais recente surgiu quando a revista W Magazine colocou em sua capa a chamada: “porque a TV está mais sexy do que nunca?” e incluiu o nome de Milly Bobby Brown, a Eleven de Stranger Things, entre as atrizes adultas, sendo que a garota tem apenas 13 anos.

A pornografia pseudo-infantil retrata as mulheres adultas como se fossem meninas jovens — não nos atos sexuais que realizam, mas nos adereços usados ​​e nas legendas ou textos que acompanham as fotos. A “infantilização” das mulheres na pornografia pseudo-infantil é realizada vestindo-as com roupas infantis, dando-lhes penteados infantis, fazendo com que eles façam poses de crianças com expressões infantis em seus rostos ou envolvendo-os com brinquedos para crianças. Uma forma predominante de pornografia, a infantilização também está se tornando cada vez maior.

Leave a Comment

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Conta aí

Tá com dúvida? Pode mandar um email pra gente!

Not readable? Change text. captcha txt

Start typing and press Enter to search