In Blog, Gênero, GTs

É incrível como algumas histórias perduram no tempo. Você, com certeza, já ouviu aquela da mina que perde o sapatinho de cristal no baile, ou a daquela que vive no meio da floresta com sete anões de nomes peculiares, ou ainda a da sereia que quer porque quer pernas para se fantasiar de humana. Essas histórinhas, provavelmente, lhe foram contadas quando você ainda era uma criancinha frágil e inocente e eram sempre finalizadas com o bom e velho “e viveram felizes para sempre”, que muitas vezes era seguido daquela famosa moral da história de que não importa as coisas ruins que aconteçam no final tudo ficará bem.

Essa até seria uma bela lição a ser ensinada se não fossem alguns pequenos detalhes: Você já reparou que nessas histórias (i) a princesa é sempre vista como uma ameaça à outra mulher que, (ii) normalmente, é retratada como a Nazaré Tedesco dos contos de fadas, ou seja, a bruxa louca, má e invejosa? E ainda que (iii) a princesa sempre é posta em apuros por conta das armações dessa mulher malvada? E que (iv) sempre há um príncipe a lá Rodrigo Hilbert (ou Cauã Reymond, se você preferir os morenos) para salvá-la do perigo? Com o qual, aliás, (v) ela precisa se casar para ter o seu “feliz para sempre” e THE END?

O tempo passa, você cresce, e essas histórias infantis parecem não fazer mais sentido algum mas daí vêm as novelas, os filmes, os livros e músicas de de amor… e olha lá a princesinha passando pelo ciclo mais um vez… E, de repente, quando ela se der conta, a vida estará imitando a arte. O problema é que isso aqui não é um conto de fadas e, com o passar do tempo, o príncipe perder o encanto, começam as cenas de ciúmes, as discussões, os xingamentos e humilhações, a chantagem emocional e até mesmo o uso da força física. Acontece que, muitas vezes, depois de tudo isso, vem o pedido de desculpas e as juras de amor eterno que são aceitos, é claro! Afinal, quem é que não quer viver feliz para sempre? Mas, assim como na arte, olha lá aquela moça passando pelo ciclo novamente e o nome disso não é história de amor é relacionamento abusivo e é CRIME!!!

Eu sei, provavelmente eu estraguei parte da sua infância, mas eu não vou me desculpar por isso, pois enquanto permitirmos que meninas e mulheres acreditem que outras mulheres são suas rivais, que sempre haverá um homem maravilhoso para salvá-las dos problemas e que é preciso estar com ele pois só assim elas serão felizes para sempre, o ciclo nunca será rompido e milhares de mulheres continuarão a viver dentro de um relacionamento abusivo, afinal, não importa as coisas ruins que aconteceram no final tudo ficará bem, não?!

É preciso parar de se romantizar o abuso e é preciso fazer isso já!

 

Por Anny Romão

Leave a Comment

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Conta aí

Tá com dúvida? Pode mandar um email pra gente!

Not readable? Change text.

Start typing and press Enter to search