In Blog, Gênero, GTs

Representantes da sociedade civil aguardando em frente à sala de negociações da Comissão. Foto por @Grolind no twitter.

      Em breve publicaremos um outro artigo detalhando como foi a participação dos dois representantes do Engajamundo que foram até Nova York participar da 58ªCSW. Também vamos analisar o posicionamento do Brasil e como se deu o lobby e advocacy das organizações da sociedade civil lá presentes. Mas enquanto preparamos esse material, queríamos compartilhar o comunicado do “Women’s Right Caucus”, grupo formado de ativistas de todo o mundo em prol dos direito das mulheres, sobre a Comissão.

 

24 de março de 2014

Comissão das Nações Unidas apela por maiores esforços em promover igualdade de gênero

Nova York – Depois de duas semanas de intensas negociações, a 58a sessão da Comissão sobre a Situação da Mulher terminou sábado de manhã, dia 22 de março, com um forte apelo a priorizar igualdade de gênero e os direitos humanos das mulheres para se alcançar o desenvolvimento sustentável.

A Comissão reuniu-se na sede da ONU em Nova York para enfrentar os desafios e as conquistas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) em melhorar as vidas de mulheres e meninas em países em desenvolvimento. Apesar de os ODM terem atingido a redução da pobreza em alguns aspectos, as metas mais distantes de serem atingidas são aquelas focadas em mulheres e meninas, particularmente em alcançar a igualdade de gênero e melhorar a saúde materna. Com os ODM previstos para expirar em 2015, o documento final da Comissão vai ajudar a definir as prioridades da próxima agenda de desenvolvimento global.

A Comissão especificamente defendeu um objetivo independente para igualdade de gênero, um movimento que foi aplaudido por ativistas dos direitos das mulheres.

“Um objetivo independente para igualdade de gênero sinaliza que a igualdade de gênero e os direitos das mulheres são importantes por si só, assim como uma prioridade para investimento do governo”, disse Lucas, membro do Engajamundo que acompanhou a conferência de Nova York. “[A conferência] reconhece que desenvolvimento sustentável e significativo precisa lidar com as causas que geram a desigualdade de gênero, os obstáculos ao acesso de mulheres e meninas à educação, o direito a tomarem decisões sobre o próprio corpo,  à um trabalho decente – com salário igual para trabalho igual – e uma vida livre de violência.”, completa.

A Comissão afirmou ainda que a agenda de desenvolvimento pós-2015 deve incluir metas específicas de gênero através de outras metas de desenvolvimento, estratégias e objetivos – especialmente aqueles relacionados à educação, saúde, justiça econômica, e meio ambiente. Ela também pediu aos governos que abordem normas e práticas sociais discriminatórias que promovem a desigualdade de gênero, incluindo o casamento precoce e forçado e outras formas de violência contra mulheres e meninas, e recomendou fortalecer os mecanismos de prestação de contas para os direitos humanos das mulheres.

As Conclusões Acordadas reafirmaram o Programa de Ação do Cairo, bem como a Plataforma de Ação de Pequim, que apelaram para investimentos em “saúde sexual e reprodutiva integral e de qualidade”, incluindo a contracepção de emergência, informação e educação, o aborto seguro onde permitido por lei, e prevenção e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis e HIV. Além disso, as conclusões chamam pelo reconhecimento dos direitos humanos das mulheres para “decidir livremente e com responsabilidade sobre questões relacionadas à sua sexualidade (…) livre de coerção, discriminação e violência.”

Os Estados-Membros reconheceram no sábado que o progresso no sentido de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – que incluem a erradicação da pobreza e a ampliação do acesso aos serviços de saúde, como a saúde reprodutiva – tem sido retido devido a persistentes “relações desiguais de poder entre mulheres e homens”, particularmente leis discriminatórias, normas sociais e estereótipos de gênero.

Os governos expressaram preocupação de que várias questões críticas relacionadas com a igualdade de gênero não foram adequadamente abordadas pelos ODM, incluindo a violência contra mulheres e meninas; práticas prejudiciais como o casamento precoce e forçado e a mutilação genital feminina; saúde sexual e reprodutiva e direitos reprodutivos de mulheres e adolescentes; parcela desproporcional de mulheres e meninas no trabalho não remunerado, em especial o trabalho doméstico não remunerado; a diferença salarial entre os gêneros; acesso igualitário e controle de recursos, incluindo terra, pelas mulheres; direitos de herança das mulheres; e plena participação das mulheres em todos os níveis de tomada de decisão.

A Comissão clama por medidas para garantir o acesso universal à educação primária, especialmente para meninas e jovens vulneráveis, bem como medidas para fortalecer a capacidade das mulheres de participar em setores de trabalho formais e informais. Os governos também pediram esforços para assegurar que os direitos e saúde da mulher obtenham o destaque que merecem na próxima agenda de desenvolvimento global.

Organizações em prol da saúde e dos direitos das mulheres, como o Engjajamundo, aplaudiram governos que defenderam os direitos de todos os indivíduos a viver livre de violência, discriminação e barreiras para acessar serviços de saúde sexual e reprodutiva, especialmente para as meninas. No entanto, essas organizações expressaram desapontamento que uma pequena minoria de governos conservadores, estimulados pela Santa Sé – que detém um status de observador especial nas negociações da ONU – atravancaram as negociações ao contestar conceitos tão fundamentais como gênero e direitos humanos das mulheres ao longo das duas semanas de negociações.

Em particular, os defensores observaram que, apesar de um legado de vinte anos na ONU de proibir a discriminação e a violência com base na orientação sexual e, cada vez mais, na identidade de gênero, os delegados dos governos cederam à pressão para excluir o reconhecimento destas violações nas conclusões finais acordadas.

Leave a Comment

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Conta aí

Tá com dúvida? Pode mandar um email pra gente!

Not readable? Change text. captcha txt

Start typing and press Enter to search